Projeto Gama Down – ASD/RN

Otorrinolaringologia na síndrome de Down

Autora:  Meire Gomes *

Vários estudos relatam maior incidência de déficit auditivo em indivíduos com SD quando comparados à população geral, com achados variáveis. Os parâmetros de definição da hipoacusia e a metodologia de trabalho adotada por cada grupo de pesquisa são heterogêneos, porém há consenso de que a perda auditiva condutiva é responsável pela maior parte dos quadros de hipoacusia.

A disacusia, a hipertrofia de adenóides e a apnéia do sono são as causas mais freqüentes de encaminhamento da criança com SD ao otorrinolaringologista.

Num estudo realizado em 1981 por Strome e cols, foi encontrado 71% de efusão na orelha média em crianças com SD abaixo de 12 meses de vida. Bilgin e colaboradores, em 1996, descreveram anormalidades na cadeia ossicular e há possibilidade que essas alterações estejam associadas à disacusia. Outro fator que pode comprometer a condução do estímulo sonoro é o estreitamento do meato acústico externo, comum em crianças com SD.

Os principais fatores que predispõem o indivíduo com SD a desenvolver otite média secretora e conseqüente disacusia condutiva são:

Þ      Estreitamento da tuba auditiva e outras alterações anatômicas como entrada da tuba na nasofaringe mais póstero-superior e com ângulo mais agudo em relação à população geral do mesmo sexo e idade

Þ      Disfunção dos músculos salpingofaríngeo, dilatador da tuba e tensor do véu palatino.

Þ      Resistência tubária baixa, com dificuldade em equilibrar pressões.

Þ      Obstrução do óstio da tuba auditiva por vegetações adenóides

Þ      Resposta imune insatisfatória

Þ      Presença de mesênquima residual na orelha média

Até o presente momento, não há dados patognomônicos que justifiquem a  disacusia sensório-neural na SD além do risco de surdez  reportado em pessoas com alterações genéticas. Como não existem alterações anatômicas específicas na orelha interna de pessoas com SD é possível que a deficiência esteja relacionada ao processamento auditivo a nível cortical. A presbiacusia surge precocemente  em pessoas com SD, em relação à população geral.

A perda auditiva reduz os estímulos necessários ao desenvolvimento neuromotor da criança com SD, além de estar relacionada a distúrbios comportamentais, perda cognitiva e retraimento social, podendo ser confundida com comportamento de passividade característico de algumas pessoas com SD ou com o quadro clínico do hipotireoidismo.

Considerando a freqüência de disacusia na população com SD desde os primeiros anos de vida e a dificuldade de estabelecer o parâmetro clínico isoladamente como meio diagnóstico, justifica-se reforçar a já reconhecida indicação de triagem auditiva neonatal universal, associando-a a reavaliações sistemáticas, conforme indicado na rotina de seguimento clínico disponível nesta cartilha. A investigação rotineira e tratamento da otite média serosa melhoram significativamente o prognóstico auditivo das crianças com SD.

*  Médica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, residência em pediatria pela UFRN, título de especialista em Pediatria pela Associação Médica Brasileira e Sociedade Brasileira de Pediatria; ex-médica da rede estadual de assistência à pessoa com deficiência do Rio Grande do Norte – Centro de Reabilitação Infantil; Curso de Formação em Perícia Médica, especialista em Direito Previdenciário.

REFERÊNCIAS

.

Strome,M.: Down’s Syndrome: A modern Otorhinolaryngologic Perspective. Laryngoscope 91(10): 1581-1594, 1981

Gorlin RJ, Toriello HV, Cohen Jr MM. Hereditary hearing loss and its syndromes. Oxford Monographs on Medical Genetics, No 28, Oxford University Press. 1995.

Bilgin,H.; Kasemsuwan,L.; Schachern,P.A.; Paparella,M.M.; Le,C.T.: Temporal Bone Study of Down’s Syndrome. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 122:271-275, 1996.

Sih, T. Surdez Genética. J Pediatr (RioJ) 1997;73(4):208-10

A pilot study of the relationship between Down’s syndrome and hearing loss.
HA Kattan, RF Jarrar, and ZZ Mahasin
Saudi Med J, October 1, 2000; 21(10): 931-3.

Hearing loss in children with Down syndrome.
SR Shott, A Joseph, and D Heithaus
Int J Pediatr Otorhinolaryngol, Dec 2001; 61(3): 199-205.

Otitis Media With Effusion
American Academy of Family Physicians, American Academy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery, and American Academy of Pediatrics Subcommittee on Otitis Media With Effusion
Pediatrics, May 1, 2004; 113: 1412 – 1429.

Otorhinolaryngological manifestations in patients with Down syndrome
C Morales-Angulo, J Gallo-Teran, N Azuara, and J Rama Quintela
Acta Otorrinolaringol Esp, June 1, 2006; 57(6): 262-5.

Anúncios